LOJINHA MIAU STORE

quinta-feira, 28 de abril de 2011

Gato do governo britânico vestido para o casamento real

O clima de casamento real dominou todo o Reino Unido e nem o gato da residência oficial do primeiro-ministro britânico, a 10 Downing Street, foi poupado.
Larry foi fotografado nesta quinta-feira com uma gravata borboleta com as cores da bandeira britânica, já preparado para a festa que a Downing Street vai realizar nesta sexta-feira para celebrar o casamento do príncipe William com Kate Middleton.
O gato Larry foi “contratado” pelo primeiro-ministro David Cameron para ajudar no combate aos ratos que rondam o número 10 da Downing Street. Ele se envolveu em uma polêmica ao atacar os braços de Lucy Manning, uma repórter da emissora ITV, durante uma entrevista após seu primeiro dia na nova casa.
Ele é um gato vira-lata malhado de 4 anos, que antes morava na Casa de Cães e Gatos Battersea, em Londres, e tornou-se uma sensação na mídia britânica desde que chegou na Downing Street.
Ele chegou até a dar “entrevista” ao jornal “Daily Telegraph”. “Um minuto estou sentando em uma gaiola em Battersea, brincando preguiçosamente com uma bola de lã, e em seguida sou o caçador de ratos chefe no gabinete, animal oficial da família Cameron e algo que já está sendo chamado de “o miau por trás do trono”".

GATOS OFICIAIS

Larry é o primeiro felino no local desde Sybil, que se mudou para lá com o então ministro das Finanças Alistar Darling em 2007, mas retornou para Edimburgo depois de seis meses. Sybil foi o primeiro a viver no endereço desde o legendário Humphfrey, o animal de estimação de Margaret Thatcher, que residiu na casa até o reinado de John Major.
O ex-premiê Tony Blair aposentou Humphrey em 1997, em meio a persistentes especulações de que sua mulher, Cherie, não o suportava e o teria expulsado.
Humphrey constava da folha de pagamentos do governo, recebendo 100 libras (US$ 160 dólares) por ano do orçamento do Gabinete Oficial. Um arquivo de 120 páginas sobre o gato, liberado após o Ato de Segredos Oficiais revelou: “Ele era um workaholic que gastava quase todo o seu tempo no escritório, não tinha registros criminais e não socializava de modo significativo. Também não esteve envolvido em nenhum escândalo sexual, ao que se saiba”.

FONTE: Folha.Com


NOTA MINHA:
"Espero que a existência do Larry tenha progredido de mero "caçador de ratos" para o mascote amado da realeza"...

terça-feira, 26 de abril de 2011

Marcelinho - um exêmplo na proteção animal

 
 Há pessoas que tinham tudo para dar errado e enveredarem por um caminho sem volta, mas que escolheram acreditar em seus valores e em suas missões de vida, dando-nos um exemplo de garra, determinação e compaixão.

A história de vida deste menino de apenas 19 anos, nos ensina que apesar de todos os obstáculos e contratempos, devemos acreditar que cada de um de nós possui uma missão na vida e basta entendê-la, para encontrarmos toda a determinação, fé e força para seguirmos em frente.

Quando conhecemos o Marcelo, desconheciamos a sua história, onde ele morava, e o que ele realizava em sua comunidade, só conhecíamos seu amor incondicional por toda forma de vida animal.

Nos encantamos com esse amor consciente e realista. Só nos demos conta do quanto ele realizava e das dificuldades pelas quais passava, quando fomos até sua casa, se é possível chamá-la assim (fotos anexas).

 O Marcelo começou na Proteção Animal com apenas 9 anos de idade, ao invés de brincar com seus amiguinhos, ele já se preocupava com o sofrimento dos animais. Desde 2000 ele batalha castrações para os animais na Favela do Sapo (Jardim Peri – zona Norte de São Paulo), participa de multirões, pedindo ajuda para um ou outro. Hoje, ele só castra animais novos que surgem na favela, pois as castrações estão sob controle, graças aos esforços dele durante os últimos 10 anos, anos em que deixou de lado sua vida, para se dedicar exclusivamente aos animais.
Marcelo é conhecido como o “Anjo dos Animais”, faz os primeiros socorros, leva ao veterinário (pedindo favores, muitas vezes implorando por ajuda), vermífuga, distribui a pouca ração que ganha, leva-os para feirinhas de doação, e ainda arruma tempo para recolher os animais descartados dos canis da região (aqueles que não servem mais para procriar) e que seriam abandonados a próprio sorte.

O Marcelo nunca teve uma família estruturada, mais um dos motivos que ele teria para enveredar por um outro caminho. Seu pai sempre foi uma figura ausente em sua vida, com 14 anos, o Marcelo saiu de casa,
devido as brigas constantes com sua mãe por causa de seus animais, que na época eram 19. Sem ter para onde ir, ficou vagando pelas ruas, até que conseguiu colocá-los num abrigo provisório, pois jamais pensou em abandoná-los.

Porém, por falta de estrutura no local, a maioria morreu em brigas ou de fome, sendo que os 4 que sobreviveram ele pegou de volta (o Veludo, e a Tittany estão com ele até hoje). Com a ajuda de amigos, comprou seu primeiro barraco de 1,5m x 3,00m, onde dividiu o espaço com seus animais por 2 anos.

Graças à seriedade e honestidade de seu trabalho, o Marcelo sempre teve amigos dispostos a ajudá-lo e assim comprou um novo barraco (foto anexa) de 2,5m x 5,00m onde vive desde 2006, sempre acompanhado pelos seus animais.

Atualmente ele tem 7 cães, 8 gatos, 1 passarinho e 15 hamsters, e ainda, dá lar provisório para mais 7 cães e 8 gatos em média. Ocorre que o seu barraco fica sob o rio e está cedendo, devido a umidade das chuvas constantes que fazem com que o rio transborde.

Muitas vezes o rio subiu devido as chuvas e inundou o seu barraco, causando a perda de seus poucos objetos e a ração que tinha para alimentar seus companheiros. Como ele não estava em casa, em um desses fatais dias, os seus vizinhos conseguiram salvar os animais, abrindo a porta do barraco para que eles pudessem sair.
Confesso que chocou-me quando entrei pela primeira vez em uma favela, e fiquei frente a frente com a casa dele. Um barraco feito de madeira sob um rio, que na época das chuvas, transborda e chega a invadir o pequeno espaço que é considerado o lar dele e de seus fiéis companheiros.

Ali, naquele barraco tão pequeno e inseguro, ele se diz feliz, apesar de tantas e tantas dificuldades. Ele diz que consegue comunicar-se com os animais, eu não duvido, pois somente alguém tão altruísta como ele, poderia ser merecedor desse dom. Os animais parecem reconhecê-lo e o seguem sem nada questionar com a certeza que ele é uma luz no meio de tanto abandono e tristeza. Só quem ama e respeita a vida, pode entender, a tristeza do olhar de um animal.

 O Marcelo nunca teve as coisas fáceis que muitos jovens possuem e não dão valor, como a reunião da família no Natal, em um aniversário ou simplesmente em um domingo. Sua família são os amigos, que o chamam para participar das festas familiares.

Insistimos para que ele continue seus estudos, porque tem dificuldade para ler e escrever, explicamos que sem estudo ele não poderá alcançar seus objetivos, mas entendemos que as escolas na periferia não estimulam em nada os jovens a estudarem. As aulas no período noturno são em locais perigosos e isso acaba afastando-o da escola.
Já o vi várias e várias vezes, pálido e fraco, quando perguntamos o que ele tem, descobrimos que ele está sem comer. Certa vez, fiz um apelo na internet, quando soube que ele estava com dificuldades para comprar alimento, com a ajuda de muitas pessoas que já conheciam seu trabalho sério e honesto, foram doadas cestas básicas, que ele dividiu com outros moradores que estavam ainda pior que ele. O Marcelo é assim mesmo, sempre divide o pouco que possui.

É impossível conter as lágrimas ao ver a necessidade que ele passa, mas nunca o vi chorar, está sempre sorrindo e de bom humor. Aprendi com ele que a felicidade é um estado de espírito, pois se não fosse, ele jamais poderia sorrir.

 Certa vez, ele comentou que gostaria de aprender a tosar animais, mas ele não tinha como pagar por um curso, já que o preço estava muito acima do que poderia pagar. Através de um apelo na internet, conseguimos que uma escola dê-se o curso a ele, gratuitamente.

Ele mostrou-se um excelente tosador e já tem até alguns clientes, mas ainda faltam materiais para que ele possa realizar seu trabalho à domicilio Seu maior sonho é ter uma casa segura, pois com a última chuva, parte de seu barraco desmoronou.

Ele quer no futuro trabalhar com animais, seja possuindo um hotelzinho para cães ou um PetShop com banho e tosa, onde poderia ganhar seu dinheiro e estaria fazendo o que mais gosta, lidar com animais.

Devido ao fato de seu barraco, como os outros, estarem em uma área de risco, a Prefeitura irá desapropriar toda aquela parte da favela. Agora, ele tem prazo para sair de lá, e não tem para onde ir novamente.
A Prefeitura se comprometeu a pagar R$ 3.500,00 pelo barraco dele, mas o que ele conseguirá comprar por esse valor?

Já conseguimos algumas pessoas que irão contribuir, porém ainda falta mais da metade do valor de uma casinha simples em alvenaria.

Quando perguntamos se ele quer ir para um outro bairro, ou fora daquele lugar, ele responde que não pode sair da favela, seu lugar é ali, ajudando aqueles animais que são abandonados todos os dias, ele só quer uma casa simples, mas segura, onde seus animais possam estar mais livres, tomarem sol e todos dormirem com tranqüilidade nos períodos de chuva.

O que leva um ser humano a lutar tanto por seu ideal, apesar de haver tantos obstáculos a sua frente?

Em sua humildade, ele não gosta que o elogiemos e diz que tudo o que tem e o que consegue fazer é por causa de boas pessoas que o ajudam, mas ele está errado, pois se não houvesse ele, eu jamais teria ido a uma favela e muito menos ter-me envolvido tanto em prol daqueles animais. Ele não sabe usar o português de forma correta, mas pode ter a atenção de qualquer pessoa letrada, quando o assunto é sobre os animais; ele não é veterinário, mas consegue “diagnosticar” uma doença, sem exame algum; não tem curso algum de auxiliar veterinário, mas sabe aplicar injeções e dar medicação de forma profissional; ele não é formado em Direito, mas tem capacidade de lutar de forma determinada naquilo que acredita que seja o correto.

Então, deixamos aqui um apelo cheio de esperança e de bons exemplos. Pedimos ao Universo, que tenha chegado a hora desse “Anjo dos Animais”, conseguir realizar seu maior sonho, ter uma casa segura com quintal para que seus animais tenham espaço e sejam livres mas com segurança, só depende da nossa ajuda.
Muito obrigada".
KIKI e Cristina
 FONTE: INSTITUTO MADA

E pra complementar esse post, informo que Marcelinho já em a sua casa onde vive feliz com seus protegidos, dá gosto de ver a alegria dele  junto aos seus animais.
Parabéns Marcelinho!!
Seguem as fotos:











segunda-feira, 25 de abril de 2011

Alergia

Pessoas, uma coisa que agente quase não ouve falar é sobre a alergia em animais, eles passam por isso sim e ao contrário do que muita gente pensa é algo muito comum que acaba passando muitas vezes despercebido.
Achei um texto ótimo que fala sobre alergia nos animais num blog super bacana de uma pessoa mais bacana ainda chamada Elaine, o  blog é o
" Lar Encantado" que eu adoro visitar, passa lá e dá uma conferida.
Eu não acreditei até os exames médicos veterinários e  as dificuldades respiratórias da minha gata deixarem claro que a situação não era brincadeira. A gente costuma achar que são bichinhos de pelúcia; que eles não possuem doenças graves, porque se admitirmos, ficará claro o quão parecido com os seres humanos eles são. E isso nos deixa, no mínimo, ansiosos e apreensivos, impotentes, pois aquilo que não conhecemos, costumamos temer.
A primeira vez, eu não possuia em mãos um exame detalhado. sobre alergias. Possui um diagnóstico de tosse como resquicio da rinotraqueíte (doença comum em gatos que se evita com vacinas). 
Apenas fazia inalações colocando a gata dentro de uma caixa de transporte, fechando com uma fralda os buracos por onde pudessem sair o vapor e ligava o aparelho de inalação próximo a caixa de transporte, tudo isso para melhorar a tosse dela, prescrição médica, sempre. Também tratei-a com homeopatia e pareceu no início, responder bem.
Daí um dia, a Nani tossiu tanto durante a inalação que ficou semi desmaiada. Sua boca estava roxa assim como sua lingua e ela gemia. Corremos como quem corre da morte (literalmente) e caimos num pronto socorro veterinário onde fiquei com ela por algumas horas. Nos dias que seguiram também, chegamos a quase perde-la no transito de Sao Paulo (eram 8:00hs da noite). Ficamos impotentes, desanimados e mais pobres. Ai encontramos um veterinário, indicado por minha veterinária,  especialista em gatos (talvez o melhor do Brasil) que conseguiu estabilizá-la. Ela toma altas doses de cortizona eu sei, mas está viva e com uma qualidade de vida excelente. È claro que a vida e a rotina mudou. Ninguem entra fumando em casa. Não uso um incenso  há 6 anos, tenho adrenalina e agulha e seringa que ficam à mão se precisar. Alugo tanque de oxigenio quado chega o inverno, com direito à mascara (compre de criança). No início eu pirei, pesquisei sobre asma, sobre alergias (ela é alergica a peixe, acredite) Isso tudo me deixou alerta, mais naturebas, mais consciente da qualidade do ar (temos umidificador para dias secos). E ganhei com isso: conhecimento, um ar melhor dentro de casa. Moramos em local muito poluído e assim, conseguimos tirar um pouco da poluição provocada por nós mesmos. E por isso passo a vocês minha experiência:

  • cuidado com incensos, fumaça de cigarro, charuto, cachimbo,  cheiros de tintas de paredes ou portas,  que são horrorosos para os seres humanos e crianças, pois AFETAM e muito também os animais de estimação.
  • pensem em todos da casa: produtos de limpeza sem origem, tintas cujos fabricantes sequer tem comprometimento com o ambiente. Devem ser evitadas. Existem particulas de produtos quimicos que ficam pairando no ar por anos, nos causando tosse, alergias, noites mal dormidas sem sabermos o motivo
  • venenos para mosquitos que são colocados na tomada: após anos, descobri que minha gata era alérgica a piretróide, que é a substância desse produto.
  • plantas e árvores nas  proximidades de quartos e salas: certifique-se que essa espécie pode conviver tão próximo desses locais onde descansamos. Não se trata de odiar árvores e sim, saber mais e mais sobre espécies adequadas para plantar em determinados lugares.
  • uso indiscriminado de produtos de limpeza, com o objetivo de que deixem cheiro "agradável" em casa e nas roupas. Eu costumava abusar de amaciantes e sabões em pó. Tudo isso ter particulas que ficam suspensas no ar. Use menor quantidade e prefira produtos orgânicos. Vejam a postagem limpeza ecologia da casa, nesse blog. 
  • desinfetantes a base de creolina ou cloro (água sanitária) muito utilizados para lavagem de quintais onde ficam animais, costumam machucar as patas (coxim) de cães e  gatos que ficam com seus focinhos e patinhas diretamente no lugar que acabou de ser limpo, ainda molhado. 
  • produtos para matar pulgas e para pulverizar em casinhas e quintais. Extremamente tóxicos, muitos deles são para controle de parasitas em bois e cavalos, são diluidos sem critério, causando até cegueira permanente em cães e, ainda, a água que corre contamina tudo por onde passa até chegar no destino dela
  • quer fazer prevenção contra pulgas e carrapatos? Só o veterinário pode te falar. Eu aprendi a lição. O dinheiro que foi gasto tentando salvar a vida da Nani, poderia ajudar muitos outros animais das ruas. 
  • Uso indiscriminado de mata pulgas, baratas, moscas e mosquitos. Prevenção é a palavra de ouro. Mantenha a casa limpa, pesquise sobre plantas e produtos naturais (plantar citronela em vasos e colocar no quintal ou dentro de casa, velas de andiroba e citronela)  e faça essa barreira natural. Estamos acabando com as joaninhas, borboletas, mariposas, abelhas e outros. Eles também merecem viver.  O planeta agradece. Seus bichos e sua familia também.                  (Elaine - blog Lar Encantado)

segunda-feira, 11 de abril de 2011

Um pouco de humor...

TROPA DE ELITE 3 - O "bullying" no recém chegado!
Jean Pierre muito delicadamente dá as boas vindas ao novo membro da "Felinada"

terça-feira, 5 de abril de 2011